14 de Setembro de 2014

WoodRock Quiaios @Figueira da Foz 5 e 6 de Setembro



"Não criamos expectativas, damos-te música!!!" É o lema de um festival que tem o privilégio de juntar música nacional, serra e praia.
A assinalar o planeamento e organização que mostrou preocupação nos pormenores. Desde o cartaz e a sinalética até ao local que foi inconfundível aos mais distraídos. Como também toda a informação disponibilizada na página de facebook  em que mostrou aos festivaleiros onde era, como ir, onde comer, onde ficar e como se divertir. Basicamente fizeram a "papinha toda".
No recinto notou-se uma arrumação por forma a separar muito bem o espaço de espectáculos e o camping. O estacionamento não foi difícil e a sombra dominou, o que é outro ponto positivo a apontar. 
Ao chegar à zona de concertos o bom gosto é visível logo na entrada, bem como a simpatia. O espaço não é grande mas é o suficiente para um festival que vem alargando e melhorando as suas passadas de ano para ano e com ganas para crescer.
A acessibilidade a pessoas com limitações motoras é fácil apesar de não haver espaço reservado para assistir aos concertos essa dificuldade não foi sentida a quem de direito e houve atenção e assistência por parte da organização (algo que vale bastante) não se tendo visto grande dificuldade tanto para o recinto de concertos bem como para o camping. 
A música começou à hora marcada notando-se respeito e consideração entre bandas mesmo havendo gritos para que fossem tocando mais malhas.

Os dois dias de festival apresentou um cartaz bem simples dando primazia à música nacional em que os nomes mais sonantes que se destacaram foram "The Quartet of Whoa!" e "Bizarra Locomotiva".

O dia 5 abriu à hora marcada com os The Midnight Train que realmente não fugiu à falta de expectativas do festival e quem pensasse que este festival era como outros estava enganado. Foi um banho de Rock com Grundge, Punk, Metal , apesar de previsões de chuva. A banda não negou nem escondeu as suas influencias e até terminam com o tema Heart Shaped Box de Nirvana adaptado a português. Algo, para alguns dos presentes, nunca ouvido.

El Coyote rasgou com o seu "Herbie Metal vindo das profundezas da Bajouca" como referem na sua pághina de FB e não se deram nada mal. Sonoridades com guitarras bem rasgadas e apontamentos fora do comum fizeram delicias aos presentes. A interacção com o público muito bem disposta e actuação no palco sem defeitos.

Os Bad Pig jogavam em casa e adesão do público foi total. Ouvir este trio de Stoner Rock Hard Blues da Figueira da Foz com a coragem e o bom gosto de fazê-lo em português é de louvar e pedir mais. A descarga foi total, guitarras bem pesadas com puxadas de blues bem enquadradas e até mesmo, deliciosas. Mostraram que WoodRock era a sua casa e que souberam dar música e receber bem quem até eles se desloca.
Os DAPUNKSPORTIF foram a alteração do cartaz e em vez de serem a última banda anteciparam-se aos Stone Dead. Visivelmente a banda com mais tarimba da noite e de Peniche apenas trouxeram boas vibrações. Rock old school e old sounds, as semelhanças e lembranças de Led Zeppelin, Black Sabath, Rolling Stones e apontamentos de blues foram bem evidentes. Um rock para abanar o capacete e levar o resto do corpo.



Os Stone Dead não começaram da melhor forma devido aos problemas de som. Apesar das dificuldades, afinações e alguns nervos em franja lá conseguiram mostrar o bom rock que se faz por Alcobaça e o ritmo da energia criada até então não esmoreceu.

Sábado, dia 6, começou para além da hora marcada. A afluência ao recinto tardou mas não faltou, talvez devido às nuvens e às previsões de mau tempo que ameaçavam os mais receosos.
Os Beachalce, que fizeram a vez de The Dukes of Speed, não reuniram consenso nem agradou a todos os presentes. A performance não foi das mais acarinhadas pelo público. Talvez devido a sua inserção perto da data do festival não possibilitasse melhor desempenho. Ficamos a aguardar novas aparições da banda.
A Velha Mecânica, vinda de Coimbra, fez praticamente as honras da casa para o segundo dia que se esperava diferente e mais variado, não decepcionou. Com uma postura irreverente e sonoridades bem articuladas e diferentes foram, sem dúvida, um bom pontapé de saída para a noite.






The Year seguiram-se e partiram a louça toda que puderam. Aqueceram os ânimos e também a chuva que apesar de tímida dava sinal de presença. Muita energia e Lifecore vindos de Pombal. Boas batidas, boa carga eléctrica e uma voz bem sonora e poderosa fizeram o mote e nada tímidos cativaram e elevaram os níveis de adrenalina.

The Quartet of Whoa!, para quem ainda ande distraído, estão em todas e em todas em que estão dão o máximo. Tanto que nem a chuva fez arredar pé a quem os via. O quarteto espantoso de Lisboa espantou a Figueira da Foz com os seus sons Rock Heavy Psicadelic que já nos vêem habituando. Apresentaram a sua nova malha Backwardsfirstliners à semelhança do que fizeram em Vagos. Como "equipa que ganha não mexe" a sua performance e setlist não sofreram grande alterações, visto que praticamente tocaram o Ultrabomb na integra.

Bizarra Locomotiva, do alto dos seus 20 anos, demonstraram a sua irreverência e teatralidade em palco. Com temas já bem consolidados e bem conhecidos para quem os acompanha, estiveram ao nível que já nos vêm habituando. Sidónio entrou a matar e desde logo irrompeu pelo público deixando alguns um pouco surpreendidos ou esquecidos das suas passeatas durante os concertos. Procissão do Édipos foi o seu apito de partida e o Anjo Exilado, desta vez apenas a uma voz, foi o ponto final de uma noite em que se renegou à vontade da chuva que teimou em cair.

A alegria e satisfação por estarem em palco era visível e a interacção com o público foi uma constante, nunca deixando cair o véu na sua totalidade nem largando a teatralidade que os conota.



Considerações pessoais:
Este festival tem pernas para andar, aliás caminha a passos longos. Demonstra boa organização e muito cuidado aos pormenores. É uma óptima escolha para quem queira ver música nacional e passar um belo tempo na praia e/ou piscina para recarregar energias. Há transportes para o local e descontos para estadia e refeições para os festivaleiros. Tudo isto por APENAS 12€ no caso de passe para os dois dias. A SFTD conta voltar na edição do próximo ano e espera ver um WoodRock maior.

Texto: Liliana Dias
Fotos: Liliana Dias
Fotos de Velha Mecânica, The Year, The Quartet of Whoa! e Bizarra Locomotiva gentilmente cedidas por V. Matos Fotografia. Poderão ver mais fotos do festival aqui.





11 de Setembro de 2014

Serrabulho + Dead Meat + Brutal Brain Damage + Analepsy + Booze Abuser @ Benavente - 6 de Setembro





Ainda não tinha acabado de escurecer, as primeiras pingas de chuva da noite já se faziam sentir. Carros apoderavam-se da entrada do Side B, e a troca de impressões e cumprimentos faziam-se como se fosse tudo uma família.


Agenda | 7 Festivais a não perder este fim-de-semana (sim, sete)

Parece que as férias fizeram bem à malta, uma vez que esta reentrée está muito bem recheada de concertos! Escolhas não faltam para passar um bom bocado a ouvir bom som. 

Ora então vejamos, só festivais neste fim de semana temos o Reverence Valada, a European Hardcore Party, o Bobadela Vila Rock, o Chaves Underground (ver artigo anterior) , o Artilharia Pesada II e o Infected Fest no Porto. 
Vejam aqui toda a info que precisam para desfrutar a 100% um fim de semana de Rock e Metal:


10 de Setembro de 2014

Chaves Underground: novo festival em Trás-os-Montes


É já este fim-de-semana que Chaves poderá assistir ao nascimento de mais uma iniciativa de grande valor, o novo festival pintado a tons negros, CHAVES UNDERGROUND.


5 de Setembro de 2014

SonicBlast Moledo 2014 | Report 2º dia

Mr. Miyagi, Bufalo, Los Saguaros, Stone Dead, Dreamweapon, Guerrera, Blue Pills, My Sleeping Karma, The Atomic Bitchwax

Dia 16 de Agosto no Festival SonicBlast respirava-se expectativa, depois dos maravilhosos momentos de música do dia e da noite anterior, que nos deixou 'aguados'.


3 de Setembro de 2014

Casaínhos Fest 2014 - Vídeos e fotos

 (c) Igor Ferreira Photography - Clica aqui para mais fotos!Foi um ambiente de grande confraternização que encontrámos na primeira vez que nos deslocámos a Casaínhos (Fanhões, Loures), no passado Sábado, 30 de Agosto, para este Festival que já nos recomendavam há uns tempos. Falha nossa devidamente corrigida.
Não fizemos reportagem do evento, mas deixamos aqui alguns vídeos desse dia, bem como fotos tiradas por alguns amigos fotógrafos. Foi uma grande festa, como poderão ver:


1 de Setembro de 2014

SonicBlast Moledo 2014 | Report 1º dia (c/ entrevista à organização)


No dia 15 de Agosto de 2014, em que se celebrou os 60 anos do rock n'roll, não havia melhor maneira de celebrá-lo senão assistir a este Festival SonicBlast, nesta 4ªa edição, durante dois dias, em Moledo na Vila de Caminha, em pleno coração do Alto Minho, no distrito de Viana do Castelo.


30 de Agosto de 2014

28 de Agosto de 2014

Scar For Life, com nova formação e videoclip, lançam novo álbum no dia 29 de Agosto






Dia 29 de Agosto foi a data escolhida pelos Scar For Life para o lançamento do álbum WORLDS ENTWINED.
Os lisboetas contam já com três álbuns e uma compilação (em retrospectiva de 5 anos de existência) e já dão cartas desde 2008.


Pela label da Escape Music divulgaram "Thirteen Revolution" como single de apresentação ao que se poderá esperar por este novo trabalho, com a participação na bateria de Vinny Appice (Black Sabbath / Dio), colaboração que surge por contingências e coincidências do projecto DNA em que Alexandre Santos esteve inserido. A recepção de Vinny ao convite foi positiva e dela surge  o single de lançamento que poderão ouvir e ver aqui:


É um álbum maturado, versátil e abrangente que não desilude, aposta numa vertente bem rockada com guitarras bem rasgadas o que se comprova com a participação de Tó Pica (RAMP, Sacred Sin, Anti-Clockwise e Secret Lie) e Neil Fraser em duas faixas, participações que surgem por laços de amizade, colaboração em outros projectos e anteriores álbuns da banda. Também participam, dando uma vertente mais harmoniosa e melódica, ao violino Anne Victorine d'Almeida e Mikael Carlsson ao piano. Como voz de apoio Dinho é um convidado de peso.
À conversa com Alexandre Santos a expectativa deste trabalho é de consolidar sonoridades e o trabalho que os Scar For Life tem efectuado até à data. Essa expectativa é aumentada devido ao facto de a mesma apresentar um lineup renovado o que implica, naturalmente, diferenças e novidades de palco e de interacção. Mas pelo o que a SFTD já pode ouvir deste trabalho certamente que os fãs não ficarão desiludidos. 

Para adquirir basta aceder ao facebook da banda e enviar uma mensagem privada.

Para já não há datas marcadas para apresentação dos novos temas ao vivo mas com certeza que veremos os portugueses SFL em cartazes festivaleiros pela Europa. 

Novo lineup
ROB MANCINI - voz
ALEXANDRE SANTOS - guitarras
TEEN ASTY - baixo
JOÃO COLAÇO - bateria
Fica a recomendação SFTD e não desesperem que dia 29 é já amanhã.

Scar For Life:
http://www.scarforlife.com/
https://www.facebook.com/scarforlife


27 de Agosto de 2014

One Hundred and Twenty - Arlindo Cardoso a Solo

One Hundred and Twenty é o nome que dá forma ao novíssimo projecto a solo do baterista e produtor Arlindo Cardoso.





Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...